quinta-feira, 17 de abril de 2008

Imperativos

Não mande a tristeza embora
Não fuja do tempo
Viva na idade da pedra

‘no meio do caminho’
Morra de tédio
Com a ingratidão dos filhos de Deus
E sejamos juntos amor
Franqueza, sutileza, e dor
Que a morte oxalá queira nos separar
Mas que no momento oportuno
Sejamos nós
A pausa e o movimento
O motivo e a causa primeira
Da coisa toda
Que acreditamos ser
Que escolhemos fazer
E ao que ousamos dizer não.

Ediane Soares

Um comentário:

Wesley Alves disse...

Seu poema fez-me pensar naquilo que eu disse não. E de certa forma senti orgulho por ter negligenciado a coisa ou pessoa... valeu poetisa, vc sabe traduzir os sentimentos