segunda-feira, 21 de abril de 2008

Espectro da realização

Queria um bocado de terra
Para plantar meus sentidos
Para ver brotar-me em pedaços
Em frações de uma planta nova
Outra vida.
Queria, e ainda ouso querer,
Ver ao menos uma parte de mim
Gritar ao mundo
- Minha poesia é livre de mim, e por ela livre sou eu!
Queria, se ainda me fosse possível querer,
Sentir o calor das primeiras indignações
Diante das injustiças
Covardias
Desesperos
Omissões...
Queria uma pausa para ajeitar
O que me parece absurdo
Queria construir mais mundo
Mais humano
Mais honesto
Menos mentira
Menos moral
Sem tornar absoluto
O que é relativamente humano...
Quero mais que um sonho ou utopia
Uma realidade pensada
Vivida
Sentida
Realizada.


Ediane Soares

3 comentários:

Wesley Alves disse...

poema ressentido... embotado de um desespero caótico... um heroísmo irracional... Donde colhetes palavras tão malditas - promessas que nunca se realizarão. Poetisa, nossa humanidade está perdida - na caixa de pandora a esperança é uma viuva triste.

Adoro. ler-te...

Luccio disse...

"A poesia é dela, nela, por ela"

Ediane Soares, quanta sensibilidade!

Ressentimento? Dor? Tristeza?

Nem sei dizer o que sinto quando leio teus delírios pensantes e sentidos...

Só sei que te quero ler... em livro, parede, rabiscos no chão, no céu... onde for...

Gama disse...

Um verdadeira mistura de sentimentos,

Algo realmente indescritível...

Lindo...

=}