segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Filosofia da Desconstrução

Aula de Teoria do Conhecimento...

Sim, é isso. Estou na aula de Teoria do Conhecimento I. Não conclui essa cadeira há uns dois anos atrás por alguns motivos pessoais (que não vem ao caso agora).  Na mesma sala, com o mesmo professor (o que agrava a situação) e a mesma vontade, entusiasmo e paciência (ou a falta dela).

Hoje, quando saí do “trabalho” (quase um hobby), aproveitando a carona de minhas colegas queridas, resolvi trazer comigo o computador. Desse modo não teria que passar por lá novamente para pegá-lo, já que precisarei dele comigo hoje à noite quando chegar em casa.

Não faz o menor sentido estar aqui nessa sala ouvindo essa mesma ladainha. Não faz o menor sentido entender que "enfim, estou aqui novamente ouvindo o mesmo dito professor dizer exatamente as mesmas coisas que não fazem o menor sentido". Não conheço quase ninguém dessa turma. Umas duas ou três pessoas, no máximo. O que não é tão ruim... levando-se em conta que assim posso ficar aqui quietinha, fingindo que estou super presente na aula, e no entanto está aqui escrevendo essas bobagens... esperando ansiosa o tempo passar. Que passe então...

Gosto muito da Filosofia. Aprendi a conviver de maneira harmoniosa com ela. Não com a Faculdade de Filosofia, com esta não há consenso... estamos sempre em desacordo. Mas sim com aquilo que construí e que hoje concebo como sendo Filosofia. Na verdade são várias, nisso concordo com a pedagogia kantiana, são filosofias... e uma delas me atrai muito "a filosofia da desconstrução". Do diálogo. Da diversidade de conhecimento. Do equilíbrio entre o que podemos conhecer, pressupor e realizar.

Em Teoria do Conhecimento vamos estudar algumas "correntes" tradicionais da História da Filosofia. Ceticismo e Dogmatismo. Idealismo e Realismo. Racionalismo e Empirismo. Veremos nessas "correntes", na perspectiva do pensamento filosófico tradicional, essa diversidade e até onde elas podem ou não incidir na realidade (principalmente o não, nesse caso). A outra possibilidade (a de incidir na realidade) é tarefa que cabe a quem está no processo de entendimento dessas Teorias. E é aqui que tá a tal Filosofia da Desconstrução. Não uma desconstrução destrutiva, mas transformadora, no sentido de que é preciso abrir mão do simples entendimento e olhar para a realidade, a atualidade, enfim: o mundo. Há quem chame isso de "Filosofia Aplicada", mas acho que esse termo “aplicada” é bastante limitador das possibilidades e pouco provocativo ao entendimento prático.

Enfim... para enfrentar a Teoria do Conhecimento: a desconstrução! E na próxima aula eu tento me concentrar e intervir por aqui de alguma forma. Eita! aula interminável e vontade sem fim de ir pra casa continuar a ler o Höffe, ouvir umas musiquinhas, passar um café de leve, escrever, e prestar atenção nas idéias dos últimos dias...
Resta-me esperar!

2 comentários:

Wesley Alves disse...

Podes crer...
Tudo é verdade!!!!

Ediane Soares disse...

Wesley?! Sei q já fiz essa pergunta, mas... tu tá vivo?

=]