domingo, 9 de dezembro de 2007

Sobre fadas, borboletas e corações partidos.

Pouco sei
E do que sei não digo...
O silêncio emergente é um abrigo
Para os conceitos que deformam o que sinto
Para ser razão
Doce ilusão
Do poeta falido
Mendigando atenção, novo abrigo...

Sei falar do infinito
De ilusões
Dissabores... confusões...
Mas não ousaria dizer
Palavra alguma
Ou fazer poesia
Qualquer alusão
Sobre fadas, borboletas e corações partidos.

Ediane Soares

Um comentário:

L.F disse...

teu silêncio é valioso poetisa. tuas palavras caladas dizem muito mais que vc possa supor.

L.F.